sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Aos desavisados


É muito comum tratarem uma pessoa legal e gentil como se sela fosse boba. Ser boa não é se anular e deixar suas vontades em virtude de alguém, e dizer o que se pensa não é ser grossa, pelo amor de Deus vamos ser mais adultos. Uma pessoa não querer satisfazer suas vontades nada mais é do que um direito dela. Ninguém veio a esse mundo com a missão de ficar tentando agradar ou fazer as vontades do outro. A gente está aqui para viver a nossa vida.

Aos desavisados a minha solicitude não tem a ver com a necessidade de agradar ou ser aceita por alguém. Eu faço isso por mim, porque eu gosto do modo com o qual me sinto quando eu posso doar parte do meu tempo para algo que acredito ou que amo. Ficou claro que é quando POSSO? Logo se eu não achar que está ao meu alcance direi não! Não se choque!

Não tenho vocação para ficar fazendo média ou cena e não sei agir pro forma. Já ouviu aquela expressão “Para toda ação existe uma reação”? Então, se você não for capaz de me respeitar a reação com certeza será uma resposta que você não quer ouvir, porque não vou hesitar em dizer algo, mesmo sabendo que não será o que esperava ouvir já que pensa que sou boba. Vamos esclarecer que dizer o que se pensa e não o que o outro deseja ouvir não é falta de educação é só opinião.


A gente só precisa respeitar as pessoas. Você pode começar falando menos, parando com cobranças e deixando alfinetadas de lado. Faz assim, toda vez que pensar que alguém não está fazendo o que deveria fazer por você lembre-se que essa missão é sua. As gentilezas são espontâneas, não são obrigações.  

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A morte é que dá sentido à vida


Quando se escuta pela primeira vez pode até soar estranho: “ A morte é que dá sentido à vida”.  Ouvi enquanto assistia Dr. Estranho e essa frase não parou de ressoar por um só instante em minha cabeça.

Eu fico pensando, se nos fosse dada a eternidade quão mais as pessoas iriam protelar? Se teria todo o tempo do mundo para abraçar e beijar nossos pais, pedir desculpas, se declarar para aquela pessoa que te faz sentir sensacional, conhecer lugares incríveis, começar a se exercitar, ir no show daquela banda que você ama e ver aquele amigo que tanto sente saudade. Sem contar que todo o tempo do mundo estaria disponível para realizarmos os nossos sonhos.


Eu fico vendo tanta gente agindo como se tivesse a eternidade quando na verdade temos apenas um instante para sermos felizes. Esse instante é a vida, que não necessariamente durará 100, 80, 60 anos. Se for para sorrir, tentar, mudar, fazer, amar, dizer, sentir e mais todos os verbos um dia protelados, que seja agora! 


sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Quantas vidas você tem?


Como não sei a resposta, eu prefiro acreditar que seja apenas esta. Partindo desde pressuposto fica determinado que:

- Não há que se deixar nada para amanhã.
- Deu vontade? Faça!
- Fique se houver reciprocidade.
- Não perca tempo com relações difíceis.
- Tem um problema: Resolva!
- Conheça tudo que não conhece (E que der tempo).
- Busque experiências inéditas.
- Dê valor a quem te faz sorrir.
- Dê valor a quem se preocupa quando chorar.
- Cerque-se de pessoas de bom coração.
- Se importe com quem se importa
- Busque evolução diariamente
- Busque a felicidade naquilo que dependa apenas de você.


E se houver outra vida? Viva como se fosse a única, novamente!

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

O jazz


Eu caí meio que de paraquedas nessa coisa de dançar, na época eu devia escolher entre a aula de educação física convencional e o jazz. Não me lembro ao certo se a decisão foi minha, mas o fato é que de repente estava eu ali vestida com roupas de bailarina.

Eu, toda bicho do mato, já fui logo para o fim da sala. E ali foi o meu primeiro encontro com o “eu posso ser o que eu quiser” sem que fosse em meio a brincadeira entre primos. Entendi que devemos nos dedicar àquilo que nos dá prazer e a entrega foi tanto que de repente eu estava lá na primeira fila das apresentações. Foi a primeira vez, com apenas 9 anos, que percebi que eu poderia ser muito boa no que faço e vi a timidez ser derrotada pela confiança.

A dança me libertou da insegurança, naqueles instantes eu não precisava de mais nada, era eu e a coreografia. Bastava! Eu começava a confiar em mim mesma. É claro que eu era uma criança, e não tinha a mínima ideia do quanto aquela atividade estava sendo transformadora, mas ontem quando assistia o Lago do Cisnes me veio na mente a menina antes e depois do Jazz. Surgiu uma menina cheia de amigos, falastrona, disciplinada e talvez a herança mais importante tenha sido perceber o quanto é importante dedicar meu tempo a algo que me dê prazer.

Foi o meu primeiro encontro com o autoconhecimento. Desde então, tenho me dedicado a tudo que me faz bem!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Destino: Evolução!


A estrada te leva muito mais que a um destino, nela podes se conhecer o melhor de você. Conviver com pessoas totalmente diferentes é um convite para a evolução e este talvez seja o destino comum de todos os roteiros.

De repente, você se vê imerso num emaranhado de histórias que se encontram com a sua e isto te faz perceber o que tens de melhor assim como suas limitações. Uma mistura de gerações e culturas que ao final só tem a agregar.

Você descobre como é bom poder ser útil para alguém doando apenas seu coração. Você percebe que não precisa de muito para ser especial ou para receber um eu te amo numa trompada. Descobre que o sorriso gratuito torna tudo melhor e que fazer e receber o bem, sem que nada venha em troca, é uma boa oportunidade para abrir as portas para a felicidade.

Ainda que nem todos que tenham passado fiquem para sempre terão deixado uma contribuição para sua história e evolução!

Se em suas andanças tens encontrado apenas lugares, sugiro reavaliar suas experiências, faça isso por você!

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Cara a cara com a vida!


Eu me lembro bem de achar muito legal a aproximação que a internet proporcionava. De repente todo mundo do colégio estava no MIRC e a gente podia se aproximar e conversar com pessoas que por muitas vezes passávamos pelo pátio e nunca tinha dado um "oi" se quer. E então surgiu o Orkut que nos conectou com colegas do jardim da infância e primos distantes que não tínhamos mais notícias. E eu pensava: Que maravilha! Como a tecnologia pode nos aproximar!

Aproximar? Hoje penso! As coisas foram evoluindo, e nos vimos com o mundo na palma da mão e imersos na superficialidade. Eu não sei até que ponto esta conectividade tem suprido as necessidades afetivas das pessoas. Eu ainda valorizo mais o toque que o touch, o olho no olho do que uma timeline, caretas do que emojis e estar presencialmente com alguém, do que se dividir virtualmente estando (e não estando) em vários lugares ao mesmo tempo.

A virtualidade mascara as pessoas de uma coragem que elas na verdade não têm, ilude nos fazendo sentir “informados” com a visualização de meia dúzia de fotos e consome o tempo que poderíamos estar aproveitando longe da tela.

O estar próximo proporcionado pela tecnologia, tem contraditoriamente, afastado fisicamente e emocionalmente as pessoas. Além disso, jamais se aproximará da conexão criada por uma relação construída olho no olho.


Eu amo a tecnologia assim como a internet! Adoro rolar a timeline, mas gosto de vê-la carregada de memória com registros de momentos presenciais com todos aqueles que amo! Aquilo que é construído off-line nunca será substituído por aplicativos, talvez apenas potencializado. Uma coisa não implica a exclusão da outra, só acho que precisamos ficar cada vez mais cara a cara com a vida! 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Superlativo




Aprendemos muito, e desta vez a lição mais importante é que a vida deve ser vivida no superlativo.  A felicidade é diretamente proporcional a quão incrível foi a experiência. Topíssimo, lindíssimo, maravilhosíssimo, empolgadíssimas, felicíssimas, animadíssimas, apaixonadíssimas perdemos as contas de nossas expressões com um grau excessivo. Não dava para ser diferente, a vida pulsava ali! Deus estava em todos os lugares!


Carpe diem com alto níveis de intensidade e escrevemos mais um capítulo de nossas histórias de uma forma incrível! E assim, vamos colecionando em meio as felicidades diárias momentos que nos arrancam sorrisos “superlatidíssimos”, merece um neologismo, que vão tecendo aquela sensação que sentimos de que a vida tem valido muito a pena! 

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Demodê!


Tem gente que é assim, vive a margem do seu tempo. Enquanto alguns colecionam affair outros só querem uma peça rara, aquelas com vocação para item de antiquário, com anos e anos de história e com valor incalculável tamanha raridade.

Na era em que tudo é descartável, inclusive as pessoas, há quem esteja garimpando relações obsoletas, sabe aquelas que duram a vida toda ou pelo menos grande parte dela, e que façam sentido, transformem e possam ser relembradas por décadas e décadas.

Então, ainda tem gente assim: Demodê!



terça-feira, 6 de setembro de 2016

Moço


Moço, neste momento ela te admira muito! És do tipo de pessoa desengasgada e acredite é de dar inveja (boa, se é que é possível) tamanho descompromisso com o que o outro vai pensar. Queres dizer, então tu diz e pronto! É admirável esse seu jeito de gostar de alguém publicamente, rasgado sem meias palavras. E até mesmo essa ousadia de namorar a moça que não chegou a te namorar. Parecia meio maluco no início, mas agora ela entende que jamais vai ficar engasgado nem pensando no “e seu eu tivesse...”. Tu te declaraste 1, 2 e 3 vezes e colocou para fora tudo aquilo que poderia te consumir, libertou-se da dúvida e cultivou a esperança para a mais bonita das missões: querer bem e pra si alguém. Uma pena que ela não era a moça, certa! Ela quis muito que fosse! Mas a partir de agora, vai buscar um pouco de você por aí.


sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Pingos nos is


Eu acho muito engraçado alguém se sentir feito de bobo em situações em que é enganado. Pelo amor de Deus, não invertemos a situação. Bobo é quem está vivendo de criar mentiras ou omissões!

Em situações como estas, eu costumo me sentir orgulhosa da criação que recebi. Não acho que ser sincero e honesto tenha que me fazer sentir mal. Quem precisa se envergonhar é quem é fraco o bastante para encarar a vida real.

Para aqueles que acham que eu devia ficar enfurecida com situações como esta ou dar o troco eu só digo uma coisa, não costumo deixar que as atitudes de terceiros governem meu modo de agir, dar o troco me tornaria alguém que não sou. Além disso, nós somos aquilo que carregamos dentro da gente e definitivamente este tipo comportamento não me representa.


Isso tudo não irá anular a decepção, mas eu acho que esta na hora da nossa cultura parar de achar que esperto é aquele que usa mentiras para tirar vantagem ou se poupar de alguma situação. Para mim isso é covardia. 

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Caia fora!


Amor e dúvida não costumam coexistir! Se este é o caso, não exite em cair fora. Pode haver uma certeza logo adiante te esperando. Afeto não é o tipo de coisa que se fica esperando receber, afinal ele se doa sem precisar pedir muito menos aguardar, ele acontece!


Humbertizete


Impossível não se apaixonar por algo que lhe entenda tão bem.  A vida é assim, os amores sinceros surgem daquela sequência de “nossa eu também! ”. Desde a primeira vez que ouvi Engenheiros do Hawaii era como se tudo que eu quisesse dizer já tivesse sido tido.  Mais de 15 anos depois tudo é tão atual, afinal bons princípios são atemporais! Não saem de moda, porque geralmente são carregados se sensibilidade que é o que nutre as relações saudáveis! Deviam se chamar Psicólogos do Hawaii ou Dr. Humberto Gessinger! Essa paixão alimenta toda a sensibilidade que eu preciso para viver!


segunda-feira, 29 de agosto de 2016


Ao menor sinal de dor Ele me livra. Perdi as contas de quantas vezes me foi revelado algo que se fosse apenas pelos olhos humanos eu nunca saberia.

Nossa relação é tão intima e olha que é algo muito além da igreja, acreditem não participo de nenhuma. Eu sempre acreditei, porque a Sua atuação é intensa em todos os momentos da minha vida. É como se fosse um canal direto com o céu e me emociono sempre que O vejo atuando, quando percebo que eu ou pessoas queridas são usadas por Ele para fazer o bem! Ele está em todos os lugares, Ele cuida da gente em todos os momentos basta acreditar. Gratidão!

                                                                                                                  

Observando!


Morre lentamente, com a mesma paciência que um dia virou bem querer.  


sábado, 27 de agosto de 2016

Tudo vai desmoronar!


Tudo vai desmoronar, afinal nada mais somos do que um punhado de expectativas. E porque insistimos em alimentá-las? Talvez a nossa cultura enraizada de cristianismo, que nos fez acreditar em milagres, tenha lá a sua contribuição. Então, ninguém vai ser o milagre na vida de ninguém, porque somos de carne, osso e imperfeitos, todos nós!

Então até saber se tudo realmente vai ruir ou prosseguir foque na reciprocidade. Aonde ela existir pode haver  esperança. O desafio é justamente entender que só valerá a pena se ela coexistir entre as duas partes. É burrice insistir onde ela não esteja, porque há bilhões de possibilidades para encontrá-la e não faz sentido nenhum nos tolher.


A vida provavelmente vai ser uma sequência de expectativas e desmoronamentos até que em algum momento a reciprocidade escolha ficar, neste dia provavelmente valerá a pena tudo que for idealizado, porque a certeza terá superado o medo e a dúvida.